20/09/2020

Política

Oposição quer audiência pública com o MPE para debater situação greve na Saúde do Estado

Por Wanderson Camêlo A Assembleia Legislativa do Estado aprovou um requerimento, apresentado pela oposição, pedindo que o Ministério Público do Piauí e o Federal acompanhem […]

Publicado por: Luciano Coelho 26/06/2020, 14:29

Por Wanderson Camêlo

A Assembleia Legislativa do Estado aprovou um requerimento, apresentado pela oposição, pedindo que o Ministério Público do Piauí e o Federal acompanhem a situação dos profissionais de enfermagem do Estado em greve. A solicitação foi feita na sessão plenária desta quinta-feira (25).

O deputado Marden Menezes, do PSDB, foi um dos integrantes da bancada de oposição na Alepi que se posicionou depois da aprovação do requerimento. “Tivemos um requerimento, de grande importância, aprovado pela Assembleia Legislativa. No documento, pedimos o acompanhamento do MP Estadual e Federal sobre a situação da greve na saúde, para que o Governo do Piauí cumpra com os direitos dos profissionais de saúde”, destacou ele em postagem feita no Facebook.

O deputado estadual Marden Menezes (Foto: reprodução/Facebook)

Os oposicionistas agora planejam ingressar com um pedido de realização de audiência para o debate mais amplo, junto com representantes do MPE, das demandas cobradas pelos profissionais em greve. 

“É importante que haja um diálogo entre as categorias, com representantes do Ministério Público e Assembleia. Vamos apresentar um requerimento de audiência pública para que nós possamos debater também na Assembleia toda essa situação”, defendeu a deputada Teresa Britto (PV).

Enfermeiros, auxiliares e técnicos de enfermagem lotados em hospitais controlados pelo Estado decidiram paralisar as atividades, por tempo indeterminado, na manhã de ontem.

Erick Ricelly, presidente do Sindicato dos Enfermeiros do Piauí, durante a manifestação (Foto: divulgação)

Os servidores reivindicam, dentre outras coisas, o pagamento de 40% da insalubridade, demanda impossível de ser atendida, de acordo com o secretário de Administração do Piauí, Merlong Solano. A classe ainda cobra a concessão de promoções, progressões, além de melhores condições de trabalho.

Leia também

Contato
  • (86) 99972-0111
  • redacao@notempo.com.br
No Tempo