22/09/2020

Saúde

Com protesto na frente do HGV, servidores da Saúde deflagram greve por tempo indeterminado

Por Wanderson Camêlo Sem acordo com o executivo, servidores da Saúde do Estado entraram em greve, por tempo indeterminado, na manhã desta quinta-feira (25). Os […]

Publicado por: Luciano Coelho 25/06/2020, 14:13

Por Wanderson Camêlo

Sem acordo com o executivo, servidores da Saúde do Estado entraram em greve, por tempo indeterminado, na manhã desta quinta-feira (25). Os manifestantes já realizaram, inclusive, um protesto na frente do Hospital Getúlio Vargas (HGV).

A manifestação foi encabeçada por entidades como o Sindicato dos Enfermeiros, Auxiliares e Técnicos em Enfermagem do Estado do Piauí (Senatepi). O governo do Estado pediu que o Tribunal de Justiça decrete a ilegalidade do movimento paredista. 

Erick Ricelly, presidente do Sindicato dos Enfermeiros do Piauí, durante a manifestação (Foto: divulgação)

“A greve é totalmente legal; todos os requisitos da Lei de Greve foram cumpridos. Mas, o mais importante, essa greve é pautada na ilegalidade do governo do Estado”, disse o presidente do Senatepi, Erick Riccely, em vídeo gravado durante o protesto realizado na frente do HGV. 

Os servidores da Saúde do Estado reivindicam, dentre outras coisas, o pagamento de 40% da insalubridade, demanda impossível de ser atendida, de acordo com o secretário de Administração do Piauí, Merlong Solano.

“No que diz respeito à insalubridade a reivindicação dos sindicatos é de que o governo do Estado pratique para o servidor público o mesmo regramento legal que é do trabalhador da iniciativa privada, onde a insalubridade pode chegar até 40%… No serviço público, a legislação nos impõe um teto de 20% e o governo do Piauí está praticando conforme a legislação define: os percentuais de 5%, 10% e 20 % para aqueles casos onde há o maior risco de insalubridade, então não há a possibilidade de atender a essa reivindicação”, explicou o gestor.

A classe ainda cobra a concessão de promoções, progressões, além de melhores condições de trabalho.

 

Leia também

Contato
  • (86) 99972-0111
  • redacao@notempo.com.br
No Tempo